Polaridades

enciclopedia

Você já sentiu que a vida está difícil e as coisas não andam?

Pois é, quando tentamos agir através de polaridades invertidas, todas as coisas começam a criar resistências e dificuldades. Estamos agindo contra a Natureza e o Universo.

Nós podemos dividir qualquer coisa através de uma estrutura de polaridades – positiva e negativa.

A relação destas polaridades é dual e complementar, como o dia e a noite. Ou você está em um, ou está em outro. Cada polaridade possui características pré-definidas: a positiva doa enquanto a negativa recebe.

A polaridade positiva

Doadora, também conhecida como ativa.

Se tudo o que existe é energia, todas as coisas positivas são um excesso de energia. Elas possuem movimento, costumam estar ligadas ao sentido vertical, são leves, imateriais, possuem qualidade e fazem parte do mundo das ideias.

A polaridade negativa

Receptora, também conhecida como passiva.

Possui falta energética, recebendo da polaridade positiva. É estática, horizontal, pesada, material, prefere a quantidade e faz parte do mundo físico.

Exemplos

Sol – Lua: O Sol é o astro que possui energia própria, enquanto a lua só brilha pelo reflexo do Sol.

Calor – Frio: O calor é gerado pelo movimento das partículas e ele sempre vai no sentido calor > frio, ou seja, o calor doa para o frio.

Ideia – prática: As ações no mundo físico surgem primeiro pelo pensamento, imaterial, que parte para a sua concretização material.

Riqueza – pobreza: economizar é estagnação, enquanto que investir é movimento. O barato sempre sai caro, por isso quem gasta mais em qualidade acaba tendo melhores resultados.

Polaridades em uso

Você começa um negócio novo. Sua ideia é ótima e ela pode ajudar muita gente, mas lá no fundo o seu objetivo é receber, seja dinheiro, status ou poder.

Porém, ao pensar em receber, você gera energias negativas e acaba não conseguindo oferecer nada para a sociedade. É como um mau professor que não liga para a qualidade da sua aula, mas sim para a quantidade de dinheiro que está ganhando.

Embora a polaridade positiva seja de doação, é importante lembrar que ela possui excesso e que este excesso surge de algum lugar. Doadores não ficam nunca com menos, pois existe um fluxo natural que os mantém em abundancia.

Outro caso de erro comum é o sacrifício como ato de doação. Se você doar todo seu dinheiro em prol de gerar energias positivas, vai acabar ficando sem nada. O seu pensamento está pensando em receber algo em troca e você sofre e sente a perda dos seus bens.

Não estamos falando apenas de dinheiro. No amor acontece o mesmo!

Quem se molda para agradar não está pensando em doação de amor, mas sim em recepção. Por isso dizem que as mulheres preferem os bad boys. Eles não estão querendo receber nada. Estão sendo eles mesmos e, por isso, acabam se tornando positivos.

Já os carentes possuem uma energia negativa enorme. Suas ações são regadas de intenções de cobrança, ciúmes e outras necessidades. Ter uma energia de recepção não significa que você irá ganhar coisas, mas sim que sempre estará em falta.

Calma, então o polo negativo é ruim? Por isso se chama negativo?

É muito importante saber que existem momentos para utilizarmos ambos. Ter energias negativas é ótimo quando precisamos aprender algo. Um aluno deve estar unicamente com energia de recepção, ou então irá querer ensinar no lugar do professor.

O ciclo das polaridades

Embora imaginemos as polaridades como algo linear e binário, na realidade os polos são graduais e cíclicos.

Ou seja, não existe algo exatamente positivo ou negativo. Podemos estar um pouco positivos ou muito positivos.

Em uma das ligações entre os polos positivo e negativo está o polo neutro. Ele corresponde ao equilíbrio das energias, o caminho do meio onde as questões polares foram superadas.

Na outra extremidade, os polos se invertem. Uma pessoa sistemática é prática e organizada, mas quando se torna sistemática demais, acaba perdendo tempo demais com detalhes e se irrita com qualquer coisa.

No extremo da pobreza, a polaridade se torna positiva, pois o homem acaba não precisando de nada relacionado ao dinheiro, se tornando verdadeiramente rico e independente.